Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua)

Publicado: Quinta, 16 de Fevereiro de 2017, 11h00 | Última atualização em Quinta, 16 de Fevereiro de 2017, 11h18 | Acessos: 379

Contexto da pesquisa: no âmbito do Projeto de Reformulação das Pesquisas Domiciliares Amostrais do IBGE, está em fase de implantação o Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares (SIPD)13. No âmbito desse sistema, a primeira pesquisa implantada, em 2012, foi a Pnad Contínua, que substituirá a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) e a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), potencializando os resultados produzidos por ambas e agregando, em relação à primeira, a disponibilização de informações sobre trabalho com periodicidade de divulgação, o que permitirá a análise conjuntural de alguns temas; em relação à PME, a cobertura abragerá o território nacional. Enquanto a Pnad Contínua se consolida, o IBGE vem mantendo paralelamente a divulgação da Pnad e da PME. É importante salientar que não haverá encadeamento da série da Pnad Contínua com nenhuma das pesquisas que ela visa substituir, uma vez que existem mudanças metodológicas consideráveis. Para permitir comparações internacionais, os conceitos de emprego e de desemprego utilizados na Pnad Contínua foram definidos a partir das recomendações internacionais da OIT, adotadas na última Conferência Internacional dos Estatísticos do Trabalho (19ª Ciet), realizada em Genebra em outubro de 2013.

Em relação à Pnad, esta pesquisa tem uma abrangência temática mais restrita, com enfoque em trabalho e rendimento, associados a características demográficas e de educação. Além disso, haverá outros temas permanentes (migração, fecundidade) e temas suplementares.

Unidade de análise: domicílio e população residente.

Periodicidade de coleta e de divulgação: captação mensal contínua e divulgação variada (ver item Características metodológicas).

Amplitude da série histórica: desde o 1º trimestre de 2012.

Abrangência geográfica: todo o território nacional (211.344 unidades domiciliares por trimestre em 3.500 municípios).

Nível de desagregação geográfica dos resultados: Brasil, grandes regiões, unidades da Federação, 20 Regiões Metropolitanas que contêm municípios das capitais (Manaus, Belém, Macapá, São Luís, Fortaleza, Natal, João Pessoa, Recife, Maceió, Aracaju, Salvador, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Vale do Rio Cuiabá e Goiânia) e a Região Integrada de Desenvolvimento da Grande Teresina. Porém, cada desagregação territorial possui divulgação de indicadores com temporalidade variada (ver item Características metodológicas).

Características metodológicas

A implantação da Pnad Contínua substituirá a PME e a Pnad. Assim, ela tem o papel de permitir o acompanhamento tanto das flutuações de curto prazo no mercado de trabalho, como da evolução de médio e longo prazo. Com um plano amostral mais amplo do que as pesquisas anteriores, a Pnad Contínua possibilitará maiores desagregações regionais do que elas. De acordo com a metodologia amostral da pesquisa, a periodicidade da divulgação dos resultados, segundo indicadores e recortes regionais, está prevista da seguinte maneira: 

  1. a) mensal, para um conjunto restrito de indicadores relacionados à força de trabalho (somente para o nível geográfico Brasil);
  2. b) trimestral, para outros indicadores relacionados à força de trabalho (Brasil, grandes regiões e unidades da Federação) e para um conjunto restrito de indicadores relacionados à força de trabalho (regiões metropolitanas e capitais);
  3. c) anual, para os demais temas permanentes da pesquisa e indicadores complementares relacionados à força de trabalho (em todos os níveis de desagregação geográfica);
  4. d) variável, para outros temas ou tópicos dos temas permanentes a serem pesquisados.

 

Desagregação da informação e a precisão das estimativas: ver a seção Pnad.

População investigada para o tema trabalho: 14 anos de idade ou mais.

Semana de referência: semana imediatamente anterior à definida para a entrevista.

Trabalho: abrange:

a) trabalho remunerado em dinheiro, produtos, mercadorias ou benefícios (moradia, alimentação, roupas, treinamento etc.) na produção de bens ou serviços;

b) trabalho sem remuneração direta na produção de bens e serviços e em ajuda à atividade econômica de membro do domicílio;

c) trabalho na produção de bens e serviços destinados somente ao próprio consumo ou uso das pessoas moradoras do domicílio;

d) trabalho voluntário;

e) trabalho sem remuneração no cuidado de pessoas;

f ) trabalho nos afazeres domésticos.

Os itens a e b apresentam as formas de trabalho que geram rendimento para o domicílio e que serão adotadas para definir a força de trabalho. Os resultados trimestrais do tema trabalho serão baseados nesse conceito e os anuais, no conceito que abrange todas as formas de trabalho.

Pessoas ocupadas: pessoas que, na semana de referência, trabalharam durante pelo menos uma hora completa em trabalho remunerado em dinheiro, produtos, mercadorias ou benefícios (moradia, alimentação, roupas, treinamento etc.) na produção de bens ou serviços, ou em trabalho sem remuneração direta em ajuda à atividade econômica de membro do domicílio, ou, ainda, as pessoas que tinham trabalho remunerado do qual estavam temporariamente afastadas nessa semana. Consideram-se como ocupadas temporariamente afastadas de trabalho remunerado as pessoas que não trabalharam durante pelo menos uma hora completa na semana de referência por motivo de: férias, folga, jornada de trabalho variável, licença-maternidade e fatores ocasionais. Assim também foram consideradas as pessoas que, na data de referência, estavam, por período inferior a quatro meses: afastadas do trabalho em licença remunerada por motivo de doença ou acidente da própria pessoa ou outro tipo de licença remunerada; afastadas do próprio empreendimento sem ser remuneradas por instituto de previdência; em greve ou paralisação. Além disso, também foram consideradas ocupadas as pessoas afastadas por motivos diferentes dos já citados, desde que tivessem continuado a receber ao menos uma parte do pagamento e o período transcorrido do afastamento fosse inferior a quatro meses.

Trabalho principal: único trabalho que a pessoa teve na semana de referência. Para a pessoa que teve mais de um trabalho na semana de referência, considerou-se aquele em que normalmente a pessoa trabalhava o maior número de horas semanais. Em caso de igualdade no número de horas, foi considerado principal aquele que normalmente proporcionava maior rendimento mensal. Em caso de igualdade no rendimento mensal normalmente recebido, considerou-se aquele em que houve mais tempo de permanência, contado até o final da semana de referência.

Pessoas desocupadas: pessoas que estavam sem trabalho gerador de rendimentos para o domicílio na semana de referência e que tomaram alguma providência efetiva para consegui-lo no período de referência de 30 dias e que estavam disponíveis para assumi-lo nessa semana. Consideram-se também como desocupadas as pessoas sem trabalho na semana de referência que não tomaram providência efetiva para conseguir trabalho no período de referência de 30 dias porque já haviam conseguido trabalho que iriam começar após a semana de referência.

Classificação de ocupações: ver a seção Censo Demográfico.

Classificação de atividades: ver a seção Censo Demográfico.

Rendimentos: ver a seção Censo Demográfico.

Notas metodológicas disponíveis em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Trabalho_e_Rendimento/Pesquisa_Nacional_por_Amostra_de_Domicilios_continua/Notas_metodologicas/notas_metodologicas.pdf

Acesso:

Tabulações: www.ibge.gov.br

Microdados: ftp://ftp.ibge.gov.br/  - pasta “Trabalho e Rendimento”

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página